“Quando uma pessoa te ama de verdade, ela não desiste de você”

Essa frase comum do cotidiano não é recomendada pelos gramáticos mais puristas. Isto acontece porque há uma mistura no uso de pronomes de terceira e segunda pessoa. O pronome você é considerado de terceira pessoa e deve ser acompanhado dos pronomes: o,a, lhe, se, si, consigo e não do pronome te.

Sendo assim a norma padrão prescreve que a frase acima deveria ser escrita assim: Quando uma pessoa o ama de verdade, ela não desiste de você.

“Que esquisito”. Você deve ter pensado, porque não é uma estrutura que usamos no dia a dia. O que justifica seu emprego?

O problema dos pronomes pessoais é histórico. Ao longo dos séculos com o desenvolvimento da língua o pronome TU que originalmente servia para designar a 2ª pessoa (o receptor) foi sendo substituído pelo pronome de tratamento VOCÊ. Então vamos lá para um pouco de história:

 A história do pronome você

Em Portugal no período medieval, o pronome vós cujas funções básicas são designar um certo número de pessoas ou uma autoridade, era utilizado para dirigir-se a altos cargos da nobreza.

Quando houve a ampliação da Corte para o melhor controle das colônias, foi necessário a expansão, também, da linguagem e, por conseguinte, do uso desse pronome. Dessa forma, o vós já não era suficientemente respeitoso para o tratamento ao qual o rei era digno, por tornar-se mais popular, de maneira que foi obrigatório o uso de outro pronome para tal situação: surge então o vossa mercê.

Mercê significa “recompensa, benefício, presente, dignidade”. Era como se a pessoa chamasse o rei de Vossa Dignidade, ou seja, era um tratamento muito respeitos. Entretanto seguindo a mesma tendência , que já havia ocorrido com vós, houve a popularização desse pronome. E a razão é simples, a sociedade portuguesa era formada por nobres e plebeus, senhores e escravos, era dada uma importância gigantesca ao nível social das pessoas. Sabendo disso era comum que escravos e pessoas do povo se dirigissem aos membros da elite da maneira mais formal possível, era uma forma de evitar ofensas e , em bom português brasileiro, puxar o saco dos senhores de terra e nobres, nada era mais formal, mais engrandecedor do que o pronome Vossa Mercê, pois elevava o interlocutor ao mesmo nível do rei de Portugal.

Assim o termo vossa mercê foi vulgarizado e na boca do povo virou: vossamecê, vossancê, voismecê, vancê, etc. Para se designar o rei surgiu o pronome Vossa Majestade, já que o Vossa Mercê já havia sido “caipirizado”.

Portanto, o tempo e mudanças sociais fizeram com que o pronome Vossa Mercê deixasse de ser usado como tratamento formal e sofresse transformações fonéticas até chegar ao nosso VOCÊ, que já não guarda nenhum traço de formalismo, sendo usado no lugar de TU em muitas regiões do Brasil.

O que se pode depreender da história acima?

Os chamados pronomes de tratamento (Vossa Majestade, Vossa Excelência, Vossa Senhoria) são usados para estabelecer um grau de respeito e distância entre o emissor e o interlocutor e por esta razão são usados como pronomes pessoais de terceira pessoa. Era o caso do pronome você, conforme a gramática tradicional o você deveria funcionar exatamente como ele e ela.

É por isso que para a gramática tradicional o pronome você deve ser acompanhado pelos pronomes o, a, lhe, se, si, consigo, porque o mesmo ocorre com o pronome ele ou ela. Você é um pronome de tratamento e portanto deve ser utilizado sempre na terceira pessoa.

Todavia o uso popular já consagrou o você como substituto do tu. Na linguagem popular não há nada de cerimonial no uso de você, daí para misturar o uso dos pronomes foi um passo. Na língua cotidiana usa-se indistintamente: lhe, se, si, consigo, te, ti, contigo com o pronome você.

Na imagem que abre essa postagem o autor usou o te, porque este pronome traz uma relação maior de proximidade e afeto do que o pronome o. Aliás os pronomes o, a, os, as nem sequer são usados na fala, a não ser em contextos ultra-formais.

Sintetizando:

zando tudo o que foi dito:

PRONOMES RETOS

PRONOMES OBLIQUOS

VOCÊ (VARIANTE POPULAR)

LHE, TE, TI, CONTIGO, CONSIGO

VOCÊ (LÍNGUA PADRÃO)

O, A, LHE, SE, SI, CONSIGO

Portanto tome cuidado na hora de usar esses pronomes nos contextos formais, mantenha a uniformidade. Te, ti e contigo só podem ser usados com o TU