A imagem acima faz uma brincadeira crítica à política brasileira. Ela conclama as pessoas a votarem nulo, fazendo no entanto um uso peculiar da linguagem, já que a palavra ninguém embora tenha o significado de referência a nenhuma pessoa específica, possui valor substantivo podendo ser usada no lugar de um nome. No caso em questão o termo ninguém funciona no lugar do nome que pertenceria ao candidato.

Ninguém é um pronome substantivo, palavra que funciona como uma espécie de substituto de um nome qualquer, todavia o termo ninguém nos mostra uma referência vaga, imprecisa, incerta. Quando o pronome faz este tipo de referência genérica e indeterminada ele é chamado de pronome indefinido.

Segue uma tabela com os principais pronomes indefinidos:

O emprego do pronome indefinido
 Era uma vez quatro indivíduos que se chamavam 
todos,  alguém,  cada um  e  ninguém.    
Existia um importante trabalho a ser feito, 
e pediram a  todos  para fazê-lo.
Todos tinham certeza de que alguém  o faria.
Cada um  poderia tê-lo feito, mas na realidade ninguém  o fez. 
Alguém  se zangou, pois era trabalho de todos! 
 Todos  pensaram que cada um  poderia tê-lo feito
ninguém duvidava de que alguém  o faria. 
No fim das contas, 
todos  fizeram críticas a cada um 
porque 
ninguém  tinha feito o que alguém poderia ter feito. 

*** Moral da história***

Sem querer recriminar atodos,
seria bom que cada um
fizesse aquilo que deve fazer
sem alimentar esperança de que
alguém vá fazê-lo em seu lugar…
A experiência mostra que
lá onde se espera alguém,
geralmente não se encontra ninguém.

Estou repassando atodos a fim de que
cada um possa repassá-lo a alguém
sem esquecer de ninguém.

A historinha ilustra bem o emprego dos pronomes indefinidos, ressaltando as diferenças de sentido entre eles. Veja o emprego de alguns dos indefinidos mais problemáticos:

1. ALGUM

– o indefinido algum, posposto ao substantivo assume sentido negativo.

Motivo algum me fará desistir de você. (negativo)

– o indefinido cada não deve ser utilizado desacompanhado de substantivo ou numeral.

Ganhamos duas casas cada um.

2. CERTO

– o indefinido certo, antes de substantivo é pronome indefinido, depois do substantivo é adjetivo.

Não compreendi certas pessoas. (pronome indefinido)
Escolheu a pessoa certa para casar. (adjetivo)

3. TODO

– o indefinido todo e toda (singular), quando desacompanhados de artigo, significam qualquer.

Todo homem é desonesto. (Qualquer homem)

Quando acompanhados de artigo dão idéia de totalidade.

Ela comeu toda a pizza.

Qualquer (plural = quaisquer): Vieram pessoas de quaisquer origens.

Façamos agora alguns exercícios sobre os indefinidos:

1 Leia a tirinha:

a) A graça da tirinha é construída a partir de um problema de comunicação, pois não é possível entender com precisão sobre o que o personagem Sr. Rusga fala. Essa palavra é um substantivo e não um pronome indefinido, todavia é usada na linguagem cotidiana para se referir a objetos ou objeto inanimado, tendo por isso um caráter vago e impreciso. Que palavra é esta?

2. A seguir temos um pequeno trecho do artigo 5 da Constituição Brasileira:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

I – homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;

II – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;

III – ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;

a) Quais são os pronomes indefinidos presentes neste trecho?

b) Há dois pronomes utilizados que estão em clara oposição. Indique-os

c) Pela leitura atenta dos artigos acima percebemos que o uso adequado dos pronomes indefinidos é de fundamental importância para uma boa redação. Os trechos do artigo em questão estabelecem leis que permitem exceções a sua aplicação? Justifique

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

PRONOMES INTERROGATIVOS

– O que é o que é surdo e mudo, mas conta tudo?
Resposta: o livro

– O que é o que é que sempre se quebra quando se fala?
Resposta: o segredo

Nas adivinhas é comum o emprego da expressão; “o que é o que é” que serve para introduzir o enigma, a pergunta que será feita. Há pronomes que servem para a construção de perguntas, nós não sabemos bem ao certo quem é o ser ou o objeto ao qual nos referimos e com o intuito de obter uma resposta, utilizamos esses pronomes interrogativos.

Pronome interrogativo é, portanto, aquele que é usado na formulação de perguntas diretas e indiretas

São eles:

-Que

-Quem

-Qual (suas variantes)

-Quanto (suas variantes)

Exercício

1. Observe as capas de livro que seguem:

A) Tome cuidado porque a classificação de um pronome depende do contexto. Os dois livros tem a palavra quem em seus títulos, porém em um caso temos pronome indefinido e no outro pronome interrogativo. Qual seria a classificação do pronome quem em cada um dos títulos?

2. Observe os dois exemplos abaixo:

Quantos alunos faltaram?- perguntou a diretora ao professor.

Professor, preciso saber quantos alunos faltaram – disse a diretora ao professor

A) A intenção da diretora é a mesma nas duas situações, ela precisa saber quantos alunos faltaram, porém o modo que ela formula a frase é diferente. Em um dos casos ela faz uma pergunta direta, no outro uma pergunta indireta, em ambas as situações ela usa o mesmo pronome interrogativo. Identifique qual é a pergunta direta e qual é a indireta e indique o pronome interrogativo utilizado.